[Edgar Allan Poe, que não era católico — foi batizado na Igreja episcopaliana —, escreveu este “Hino” a Nossa Senhora como parte de um conto, “Morella”, publicado pela primeira vez em 1835. Mais tarde, publicou-o como “Um Hino Católico” e, finalmente, rescrevendo-o, eliminou o adjetivo católico do título].

De manhã, ao meio-dia, no sombrio crepúsculo,
Ouviste o meu hino, Maria!
Na angústia e na alegria, no bem ou no mal,
Tu, mãe de Deus, permaneces comigo!

Quando para mim mais felizes passavam as horas,
E nuvem alguma turvava o meu céu,
A tua graça trêmula a ti me conduzia
Para que minha alma não se perdesse.

E agora, quando o Destino mais adensa
Sobre mim as suas tempestades,
Confundindo sombriamente presente com passado,

Faz que ao menos resplenda radiante o meu futuro
E de ti irradiem, até mim,
Uma doce esperança!