O que se segue não é uma fantasia conspiratória. Trata-se de uma informação fornecida pelo jornal alemão Die Welt, um dos três maiores diários alemães (mais próximo do Le Figaro que do Le Monde, apesar do título).

O Die Welt divulgou ontem, em sua edição de domingo (Welt am Sonntag), uma correspondência eletrônica muito interessante entre o Instituto Koch e o Ministério do Interior alemão, em março de 2020, portanto durante a “primeira onda” da “pandemia”.

Em um litígio que durou meses, um grupo de advogados tomou conhecimento da troca de e-mails, que revelam como o governo alemão solicitou ao Instituto Robert Koch (mas também a outras instituições) a criação de modelos [de cálculo] que justificassem as medidas de restrição mais severas para “combater o vírus”.

Os e-mails revelam, por exemplo, que o Secretário de Estado do Interior, Markus Weber, pediu aos investigadores que desenvolvessem um modelo, com base no qual pudesse tomar “medidas de carácter preventivo e repressivo”. Sic. O Instituto Koch imediatamente forneceu ao governo um cenário no qual mais de um milhão de pessoas morreriam de coronavírus, se medidas drásticas não fossem tomadas. 

O governo fez chegar até a mídia esse cenário e, quatro dias depois, foram tomadas as medidas de confinamento.

https://www.lesalonbeige.fr/justifier-les-mesures-de-restriction-les-plus-severes-pour-lutter-contre-le-virus/