Um humorista francês anunciou recentemente o surgimento e a expansão de um novo credo religioso, o covidismo, que está se alastrando pelo mundo todo… como um vírus chinês.

Entre as prescrições ritualísticas da nova religião estão as seguintes:

1. o fiel deve lavar as mãos 40 a 50 vezes por dia;

2. untá-las várias vezes ao dia com álcool-gel, que é a água-benta do novo credo;

3. os covidistas devem se cumprimentar com o cotovelo, abrir as portas com o cotovelo e fechá-las com os pés;

4. entre suas vestes ritualísticas, a principal é sem dúvida a máscara;

5. dos exercícios penitenciais do covidismo, o mais rigoroso é a prática de caminhada ou corrida ao ar livre com máscara.

Os covidistas também creem num Além: o Novo Normal.

Como nas outras religiões, há covidistas heréticos e covidistas ortodoxos, moderados ou radicais, mas todos temem o mesmo diabo: o Coronavirus.

No Brasil, o principal culto público do covidismo é o Jornal Nacional, da TV Globo, mas as redes sociais na internet também contribuem bastante para a disseminação do credo covídico.

O Vaticano do covidismo é a OMS. E um forte candidato a Papa da nova religião é Bill Gates, que tem declarado que a vacina — que é o santo sacramento da nova fé universal — deve ser obrigatória para todos.   

Quem se recusar a receber o santo sacramento da fé covídica não terá direito ao Novo Normal.