Ave Maria na Casa Branca

Na última sexta-feira, a Convenção Nacional do Partido Republicano encerrou-se com a “Ave Maria”, de Schubert, após o discurso do presidente Donald Trump aceitando oficialmente a indicação de seu nome à reeleição.

Foi uma bela performance da célebre canção de Schubert, tão apreciada pelos católicos. A interpretação da “Ave Maria” se deu na varanda da Sala Azul, na Casa Branca, e esteve a cargo do cantor lírico Christopher Macchio.

Após a “Ave Maria”, o cantor Macchio convidou a família Trump e os convidados, reunidos no gramado sul da Casa Branca, para cantar com ele “God Bless America” e “America the Beautiful”.

A apresentação da “Ave Maria”, de Schubert, que no fundo é a oração da “Ave Maria” posta em música, foi “o momento mais católico da história americana”, declarou o comentarista católico conservador John Zmirak.

“Vamos invocar a ajuda da mãe de Jesus para proteger nossa nação e nossos descendentes daqueles que consideram o aborto algo ‘sagrado’; e consideram a nossa natureza física e sexual como ferramentas nas mãos de fetichistas, curandeiros e pornógrafos”, continuou Zmirak em um Tweet. “As coisas em que apostamos não podiam ser mais claras nesta eleição”, acrescentou.

Outro a comentar foi o escritor católico Taylor Marshall [de quem a editora Ecclesiae lançou no Brasil, recentemente, a obra Infiltrados: a trama para destruir a Igreja a partir de dentro]. Segundo Marshall, “Deus honrará aqueles que O honrarem (e aqueles que honram a Mãe de Deus Filho)”.

https://www.lifesitenews.com/news/ave-maria-caps-republican-national-convention-most-catholic-moment-in-american-history