A Catedral de Nantes antes do incêndio deste 18 de julho:

nantes0

O órgão da catedral de Nantes antes do incêndio:

nantes8

Esse órgão sobreviveu à Revolução Francesa, às duas guerras mundiais, ao grande incêndio de 1972. Mas eis o que resta do órgão:

nantes1

Pelo Twitter, alguns anarquistas se alegram com postagens dessa espécie: “A única igreja que ilumina é aquela que pega fogo.”

nantes7

Enfim, a Catedral de Nantes depois do fogo:

nantes6

nantes3

nantes2

nantes4

Nantes se tornou uma cidade onde anarquistas, Antifas e outras milícias da extrema esquerda, frequentemente protegidas, espalham o terror, especialmente no centro da cidade.

Nos últimos dois anos, cerca de dez ataques criminosos ocorreram em Grenoble, em particular o incêndio na igreja de São Tiago, que foi destruída. Mas, como os autores fazem parte de um grupo de extrema esquerda, o promotor não fez nada até agora. Uma dúzia de edifícios, públicos e privados, foram vítimas de incêndios, todos de origem criminosa. O que sobrou da igreja de São Tiago:

grenobles1

Também em Rennes, reduto das milícias de extrema esquerda, a catedral foi alvo de uma tentativa de incêndio em junho.

Recentemente, as antenas de rádio foram sabotadas, em ataque reivindicado pelo movimento anarco-esquerdista. As informações continuam alertando sobre o retorno da “ação direta” [intervenções agressivas de ativistas]. A pandemia causou uma onda de radicalização dentro da ultra-esquerda, que hoje parece desejar reviver métodos inspirados por grupos terroristas nos anos 80. Um estoque de coquetéis molotov e morteiros foi encontrado em um barraco de antifas em Seine-Saint-Denis.

Donald Trump bem compreendeu o esforço de desestabilização dessas milícias, bem financiadas e protegidas, e chamou os antifas de organização terrorista.

A qualificação de terrorista facilita o trabalho das investigações, argumentou na segunda-feira, 13 de julho, o promotor público sobre as degradações e incêndios criminosos reivindicados pela “ultra-esquerda libertária”, que têm ocorrido desde a primavera de 2017. O promotor público de Grenoble anunciou que havia solicitado à promotoria nacional antiterrorista que apreendesse os arquivos da onda de ataques criminosos na região de Grenoble reivindicados por esses ativistas.

https://www.lesalonbeige.fr/antifas-qui-mettra-les-milices-dextreme-gauche-hors-detat-de-nuire/