bento ein leben

O anticristo não aparecerá de repente, mas será construído devagar, um pouco a cada época. Uma pergunta boa de se fazer é a seguinte: qual é a contribuição de nossa época à figura final e definitiva do anticristo? Papa Bento XVI — que, de vez em quando, quebra o silêncio que se impôs, após a renúncia — sugere pelo menos duas: o casamento gay e o aborto.

É o que ele diz em entrevista com o jornalista alemão Peter Seewald, que aparece como anexo no final da biografia (com mais de seiscentas páginas) que Seewald lhe dedicou e acaba de sair na Alemanha.

Peter Seewald “é considerado um dos melhores conhecedores do Papa Bento XVI”, segundo o semanário alemão Die Zeit. Era um agnóstico e se converteu no curso dos encontros e diálogos que teve com o cardeal. A conversão do jornalista está narrada no livro Meu Deus! Como Voltei Para Deus, publicado no Brasil pela editora Quadrante.

A biografia do Papa Bento, que cobre a sua vida desde seu nascimento, em Marktl am Inn, até sua renúncia do pontificado, deve aparecer em inglês só no final do ano. Não há previsão para o lançamento em português.