apocalipto

[Victor Davis Hanson, americano, é professor e sabe muito bem como funciona a universidade moderna. Com doutorado por Stanford, escreveu sobre a história militar antiga e contemporânea. Segue um trecho de recente artigo seu, publicado na National Review, sobre o maniqueísmo ideológico das ciências humanas.]

“Os programas das ciências sociais e humanas estão bastante politizados [na universidade]. Cultura, história e literatura são frequentemente ensinadas através da ótica dualista de vítimas e algozes, como num melodrama, em que uns ganham e outros perdem.

Há pouca tolerância para tragédia, ironia, paradoxo, ou simplesmente as complexidades da experiência humana.

Raramente se mencionam, nos clichês acusatórios do campus contra o Ocidente, que a escravidão, o imperialismo e a atrocidade eram tão comuns no Novo Mundo, na Ásia e na África, quanto na Europa.

A razão pela qual os astecas tinham permanecido no México e na América Central, e não haviam chegado a Madri, não era por serem moralmente superiores. Não lhes faltava, também, o impulso imperial.

Foi, no entanto, por lhes faltarem tecnologia oceânica, navegação marítima sofisticada, pólvora, cavalos, aço e uma tradição militar que remontava à Roma antiga, que tiveram de limitar seus sacrifícios genocidas e suas conquistas imperiais a seus vizinhos, na península mexicana.”

https://www.nationalreview.com/2019/10/universities-breed-anger-ignorance-ingratitude/