BIFFI

[Giacomo Biffi (1928-2015) foi um cardeal italiano e fino teólogo. Escreveu obra numerosa, caracterizada pela lealdade à ortodoxia católica e um humour do tipo chestertoniano. Quase não há livros seus em português].

O maior obstáculo para crer em Deus é o enigma do mal no mundo. Como é possível que Deus queira ou permita tanta dor, tanta injustiça, tanto sofrimento, inclusive de inocentes?

Na realidade, o mal do mundo é o que torna a fé necessária e urgente. As angústias, a iniquidade, as atrocidades infundadas continuariam a existir, mesmo se nos recusarmos a confiar no Pai que está no Céu, e negarmos sua existência.

Contudo, se não há mais Deus, também já não existe a expectativa de alguma compensação futura, já não há mais a possibilidade de, um dia, as contas serem equilibradas…

Somente aceitando a iniciativa salvífica do Pai, e reconhecendo que estamos dentro de um projeto que nos transcende, podemos esperar que, no final, tudo tenha uma explicação e uma razoabilidade.

Foi dito que, depois dos horrores de Auschwitz, não é mais possível acreditar em Deus…

O oposto é que é verdadeiro: depois de Auschwitz, não é mais possível não acreditar em Deus. Caso contrário, tudo na existência humana e na história seria tragicamente inútil e quase ridículo.

A presença do mal é um dado real, independentemente de nossas escolhas ideológicas.

Para quem não acredita, no entanto, é um absurdo absolutamente irreparável; já para aqueles que acreditam, se transforma em um “mistério”, isto é, uma realidade que, sendo mais alta que nós, por essa mesma razão pode nos salvar de nossas contradições

(Em: Giacomo Biffi, L’ABC della fede. Bolonha, Edizioni Studio Domenicano, 2013)