Para ouvir a homilia do Padre Paulo Ricardo, “O Cordeiro redimiu as ovelhas”, clicar AQUI. Jesus Cristo se apresenta no Evangelho deste domingo como o Bom Pastor, que dá a vida eterna a suas ovelhas. Mas o preço dessa graça é a própria vida do pastor. É por isso que, em harmonia com o Apocalipse, a Igreja canta na Páscoa: Agnus redemit oves, isto é, “o Cordeiro redimiu as ovelhas”. Ouça esta pregação do Padre Paulo Ricardo e medite conosco sobre a vitória que Cristo nos conquista do alto da Cruz, oferecendo-se como vítima para a nossa salvação.

 

O PASTOR E O CORDEIRO (Meditação de Scott Hahn)

A missão de Israel — ser instrumento de salvação de Deus até os confins da Terra (Isaías 49, 6) — é cumprida na Igreja.

Pela “Palavra de Deus”, que Paulo e Barnabé pregam na primeira leitura de hoje, nasce o povo da nova aliança, um povo que glorifica o Deus de Israel como Pai de todos eles.

A Igreja permanece fiel à graça de Deus concedida aos apóstolos, continua a sua obra de salvação por todas as gerações. Através da Igreja, os povos de todas as terras ouvem a voz do Pastor e O seguem (Lucas 10, 6).

O Bom Pastor do Evangelho de hoje é o Cordeiro entronizado da Segunda Leitura. Ao dar a Sua vida por Seu rebanho, o Cordeiro tornou possível uma nova Páscoa (1 Coríntios 5, 7), libertando pelo Seu sangue “toda nação, raça, povo e língua” da escravidão do pecado e da morte.

A Igreja é a “grande multidão” que João viu na segunda leitura de hoje. Deus jurou a Abraão que seus descendentes seriam tão numerosos, que nem daria para contar. E, como João testemunhou, esta promessa é cumprida na Igreja (compare-se Apocalipse 7, 9 e Gênesis 15, 5).

É do trono de Deus que o Cordeiro governa. Dá abrigo ao Seu rebanho, alimentando sua fome com o próprio Corpo e Sangue, conduzindo-os às “fontes de água viva” que conduzem à vida eterna (João 4,14).

O Cordeiro é o eterno Rei-Pastor, o filho de Davi predito pelos profetas. Sua Igreja é o reino de todo Israel, que, segundo os profetas, seria restaurado em um pacto eterno (Ezequiel 34, 23–31; 37, 23-28).

Não é um reino que qualquer tribo ou nação possa reivindicar, ciumentamente, só para si. A Palavra do Pastor a Israel é agora dirigida a todas as nações da terra, convocando a todos para adorar e bendizer Seu nome no templo celestial.

Este é o deleite dos gentios: podemos agora cantar a canção que outrora só Israel poderia cantar, o alegre Salmo de hoje: “Ele mesmo nos fez, e somos seus,/ nós somos seu povo e seu rebanho.”

https://stpaulcenter.com/shepherd-and-the-lamb-scott-hahn-reflects-on-the-fourth-sunday-of-easter/

 

PRIMEIRA LEITURA DA MISSA (Atos dos apóstolos 13, 14.43-52)

A voz do Pastor através da Igreja

Naqueles dias, Paulo e Barnabé partindo de Perge, chegaram a Antioquia da Pisídia. E, entrando na sinagoga em dia de sábado, sentaram-se. Muitos judeus e pessoas piedosas convertidas ao judaísmo seguiram Paulo e Barnabé. Conversando com eles, os dois insistiam para que continuassem fiéis à graça de Deus.

No sábado seguinte, quase toda a cidade se reuniu para ouvir a palavra de Deus. Ao verem aquela multidão, os judeus ficaram cheios de inveja e, com blasfêmias, opunham-se ao que Paulo dizia. Então, com muita coragem, Paulo e Barnabé declararam: “Era preciso anunciar a palavra de Deus primeiro a vós. Mas, como a rejeitais e vos considerais indignos da vida eterna, sabei que vamos dirigir-nos aos pagãos. Porque esta é a ordem que o Senhor nos deu: ‘Eu te coloquei como luz para as nações, para que leves a salvação até os confins da terra’”.

Os pagãos ficaram muito contentes, quando ouviram isso, e glorificavam a palavra do Senhor. Todos os que eram destinados à vida eterna, abraçaram a fé. Desse modo, a palavra do Senhor espalhava-se por toda a região.

Mas os judeus instigaram as mulheres ricas e religiosas, assim como os homens influentes da cidade, provocaram uma perseguição contra Paulo e Barnabé e expulsaram-nos do seu território. Então os apóstolos sacudiram contra eles a poeira dos pés, e foram para a cidade de Icônio. Os discípulos, porém, ficaram cheios de alegria e do Espírito Santo.

 

SALMO 29

A alegria do rebanho conquistado

(Antífona): Sabei que o Senhor, só ele, é Deus, nós somos seu povo e seu rebanho.

— Aclamai o Senhor, ó terra inteira,/ servi ao Senhor com alegria,/ ide a ele cantando jubilosos!

— Sabei que o Senhor, só ele, é Deus,/ Ele mesmo nos fez, e somos seus,/ nós somos seu povo e seu rebanho.

— Sim, é bom o Senhor e nosso Deus,/ sua bondade perdura para sempre,/ seu amor é fiel eternamente!

 

SEGUNDA LEITURA DA MISSA (Apcalipse 7,9.14b-17)

O Rei-Pastor é o Cordeiro imolado

Eu, João, vi uma multidão imensa de gente de todas as nações, tribos, povos e línguas, e que ninguém podia contar. Estavam de pé diante do trono e do Cordeiro; trajavam vestes brancas e traziam palmas na mão. Então um dos anciãos me disse: “Esses são os que vieram da grande tribulação. Lavaram e alvejaram as suas roupas no sangue do Cordeiro. Por isso, estão diante do trono de Deus e lhe prestam culto, dia e noite, no seu templo. E aquele que está sentado no trono os abrigará na sua tenda. Nunca mais terão fome nem sede. Nem os molestará o sol nem algum calor ardente. Porque o Cordeiro, que está no meio do trono, será o seu pastor e os conduzirá às fontes da água da vida. E Deus enxugará as lágrimas de seus olhos”.

 

EVANGELHO (São João 10, 27-30)

A promessa do Pastor

Naquele tempo, disse Jesus: “As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem. Eu dou-lhes a vida eterna e elas jamais se perderão. E ninguém vai arrancá-las de minha mão. Meu Pai, que me deu estas ovelhas, é maior que todos, e ninguém pode arrebatá-las da mão do Pai. Eu e o Pai somos um”.