“A qualidade da misericórdia é que não se impõe,
Caindo como a doce chuva do céu
Sobre a terra embaixo dela. É duplamente abençoada:
Abençoa quem a concede e quem a recebe;
É a mais poderosa entre os todo-poderosos:
Fica melhor no monarca do que a sua coroa.
O cetro mostra a força do poder temporal,
Um atributo da reverência e da majestade,
Onde deve residir o temor e o medo dos reis;
A misericórdia está acima da instabilidade do cetro,
Está entronizada nos corações dos reis.
É um atributo do próprio Deus.
E o poder terreno mostra-se semelhante ao divino
Quando a misericórdia tempera a justiça.
Pela justiça nenhum de nós seria salvo.
Rezamos por misericórdia,
E essa mesma oração deve ensinar-nos a todos
A retribuir a misericórdia recebida.”

(William Shakespeare, O mercador de Veneza, Ato 4, cena 1).