Hugo de São Vitor nasceu na Saxônia, no Sacro Império Romano Germânico; ainda jovem dirigiu-se para Paris, ingressando no Mosteiro de São Vitor recém fundado por Guilherme de Champeaux. Tornou-se mais tarde professor de Teologia na escola anexa ao Mosteiro de São Vítor, aproximadamente um século e meio antes de S. Tomás de Aquino ter lecionado em Paris. Ao lecionar na Universidade de Paris, Tomás de Aquino encontrou a Universidade já em funcionamento; Hugo de S. Vitor, porém, além de professor, teve a si confiada a incumbência de organizar a própria escola anexa ao mosteiro de S. Vitor na qual posteriormente ele se notabilizaria como professor. Foi desta escola organizada por Hugo e de outras, como a escola da catedral de Notre Dame onde ensinou seu discípulo Pedro Lombardo, o autor do famoso Livro das Sentenças, que surgiria mais tarde a primeira Universidade da civilização ocidental, a Universidade de Paris.

Em nossa opinião, Hugo de S. Vitor está, ao lado de S. Agostinho e de S. Tomás de Aquino, entre os maiores teólogos do Cristianismo; S. Boaventura, entretanto, vai mais longe nesta apreciação: na Redução das Ciências à Teologia ele praticamente coloca Hugo de S. Vitor no primeiro lugar absoluto.Um dos motivos pelo qual Hugo de S. Vitor caiu num certo esquecimento entre os modernos se deve ao fato de que a ordem a que ele pertencia, a dos Cônegos Regulares de São Vitor, na qual desempenhou um papel semelhante ao de S. Tomás de Aquino na dos Dominicanos, deixou de existir já há vários séculos. Como professor Hugo conseguiu um feito raro na História da Pedagogia: assim como Platão, que conseguiu formar em Aristóteles um discípulo à altura do mestre, Hugo nos deixou na pessoa de Ricardo de S. Vitor um teólogo não menos brilhante do que ele próprio; e a obra de Ricardo de S. Vitor continua de tal forma a de Hugo que os escritos de ambos parecem formar um só conjunto. Raríssimas vezes na História se registrou o fenômeno da reprodução do gênio do mestre em seus discípulos; um dos motivos que provavelmente explicam este fato em Platão e em Hugo de S. Vitor se relaciona com o interesse incomum que ambos estes pensadores tiveram para com a filosofia da educação e as concepções elevadas e profundamente elaboradas que tinham a respeito do assunto.

Com Hugo de S. Vitor retornamos ao tema da contemplação vista no contexto de uma escola de Teologia; estamos, ademais, em meio às idéias pedagógicas que se situam nos próprios primórdios do nascimento da instituição universitária no Ocidente. Hugo de S. Vitor expôs em uma forma concisa o que entendia por contemplação em um opúsculo intitulado Sobre o modo de Aprender e de Meditar. Neste opúsculo Hugo afirma que há três operações básicas da alma racional, as quais constituem entre si uma hierarquia, e que devem, portanto, ser desenvolvidas uma em seqüência à outra. A primeira ele denomina de pensamento. A segunda, de meditação; a terceira, de contemplação.

1- O pensamento ocorre, diz Hugo, “quando a mente é tocada transitoriamente pela noção das coisas, ao se apresentar a própria coisa, pela sua imagem, subitamente à alma, seja entrando pelo sentido, seja surgindo na memória”. Entre os ensinamentos de Hugo de S. Vitor, entra aqui o papel que a leitura adquire na Pedagogia. A importância da leitura reside em que ela pode ser utilizada para estimular a primeira operação da inteligência que é o pensamento. Mas ao mesmo tempo a limitação da leitura está em que ela não pode estimular as operações seguintes da inteligência, a meditação e a contemplação, a não ser indiretamente, na medida em que a leitura estimula o primeiro estágio do pensamento que é o pressuposto dos demais. Isto significa que requer-se uma teoria da leitura em que o mestre saiba utilizar-se dela para produzir o pensamento, e ao mesmo tempo compreenda que há outros processos mentais mais elevados que devem também ser desenvolvidos mas que podem vir a ser impedidos por uma concepção errônea por parte do mestre que não conseguisse compreender que estes não dependem mais diretamente da leitura. A importância do assunto é tão grande que Hugo de São Vitor dedicou seis dos sete livros de sua obra conhecida como Didascalicon à teoria da leitura.

2- A segunda operação da inteligência, continua Hugo, é a meditação. A meditação baseia-se no pensamento, e é “um assíduo e sagaz reconduzir do pensamento, esforçando-se para explicar algo obscuro, ou procurando penetrar no que ainda nos é oculto”. O exercício da meditação, assim entendido, exercita o engenho. Como a meditação, porém, se baseia por sua vez no pensamento e o pensamento é estimulado pela leitura, temos na realidade duas coisas que exercitam o engenho: a leitura e a meditação. Segundo as palavras de Hugo, “na leitura, mediante regras e preceitos, somos instruídos a partir de coisas que estão escritas. A leitura também é uma investigação do sentido por uma alma disciplinada. A meditação toma, depois, por sua vez, seu princípio na leitura, embora não se realize por nenhuma das regras ou dos preceitos da leitura. A meditação é uma cogitação freqüente com conselho, que investiga prudentemente a causa e a origem, o modo e a utilidade de cada coisa”.

3- Mas, acima da meditação e baseando-se nela, existe ainda o que Hugo chama de contemplação. Ele explica o que é a contemplação e no que difere da meditação do seguinte modo: “A contemplação é uma visão livre e perspicaz da alma de coisas que existem em si de modo amplamente disperso. Entre a meditação e a contemplação o que parece relevante é que a meditação é sempre de coisas ocultas à nossa inteligência; a contemplação, porém, é de coisas que, segundo a nossa capacidade, são manifestas; e que a meditação sempre se ocupa em buscar alguma coisa única, enquanto que a contemplação se estende à compreensão de muitas, ou também de todas as coisas.

A meditação é, portanto, um certo vagar curioso da mente, um investigar sagaz do obscuro, um desatar o que é intrincado. A contemplação é aquela vivacidade da inteligência, a qual, já possuindo todas as coisas, as abarca em uma visão plenamente manifesta, e isto de tal maneira que aquilo que a meditação busca, a contemplação possui”.

Estas passagens do Opúsculo sobre o Modo de Aprender revelam um dos pontos básicos da pedagogia vitorina, o de levar o discípulo do pensamento à contemplação. No sétimo livro do Didascalicon, às vezes conhecido também como uma obra em separado denominada Os Três Dias (De Tribus Diebus), Hugo dá um exemplo mais extenso desta concepção; este texto, entretanto, é muito longo para ser reportado aqui e também muito denso para poder ser resenhado.

(Em: http://www.cristianismo.org.br/efp3-12.htm)