Na verdade, os católicos somos a maioria do Brasil, no entanto católicos não são os princípios e os órgãos da nossa vida política.

Não é católica a lei que nos rege, leigas são as nossas escolas, leigo o ensino, enfim, na engrenagem do Brasil oficial não vemos uma só manifestação de vida católica.

Somos uma maioria que não cumpre os deveres sociais.

Obliterados, em nossa consciência, os deveres religiosos e sociais, chegamos ao absurdo de formarmos uma grande força nacional, mas uma força que não atua e não influi, uma força inerte.  Somos, pois, uma maioria ineficiente.

Nossas trincheiras católicas estão sendo invadidas pelo inimigo.  Espiritismo, Protestantismo, livre-pensamento, ódios sectários, Anarquismo, o respeito humano, a descrença, enfim, e o indiferentismo religioso penetram em nossos arraiais e cidades.

Alerta, soldados de Cristo!

Mas os soldados são poucos, os soldados jazem por terra, sonolentos, feridos de tédio, mortos de torpor.

Eis chegado o momento das associações católicas.  Elas que saiam no meio dos católicos que dormem, que saiam gritando:

— Camaradas, que fazeis? Dormis? Morreis? Levantai-vos… Jesus Cristo vos chama.  Mortos, de pé!

(In: Correspondência Mário de Andrade & Alceu Amoroso Lima. Org. de Leandro Garcia Rodrigues. São Paulo, EDUSP, 2018).