Para ouvir a homilia do Padre Paulo Ricardo, “Sem a graça, nada podemos”, clicar AQUI. Nem o moralismo cansado, nem o sentimentalismo preguiçoso. No Evangelho deste domingo, Nosso Senhor mostra que a santidade depende, sobretudo, de nossa união íntima com Ele, cuja graça nos transforma em “árvores boas” e capazes de gerar “bons frutos”. É essa a verdade sobre a qual Padre Paulo Ricardo medita em mais esta homilia, ensinando-nos a permanecer em “estado de graça” e a crescer no amor que é infundido por Deus em nossos corações.

 

O CORAÇÃO E A BOCA (Meditação de Scott Hahnn)

Nas leituras de hoje, ouvimos Jesus falando na Galiléia, assim como um sábio judeu, chamado Sirach, escrevendo em Jerusalém, mais de um século antes. Os dois tocam em uma única verdade: as palavras, que saem de nossas bocas, tornam conhecidos os pensamentos que estão ocultos dentro de nós. A linguagem revela os segredos do coração.

Sirach ensina que a palavra é “a prova dos homens” e de seu caráter (Eclo 27, 7). Quem é reto, proferirá palavras que verdadeiras e encorajadoras para os outros. Mas aquele, cujo coração está cheio de “refugo”, será exposto, uma vez que o “fruto” de sua boca diz muito sobre a “árvore” que o produz (Eclo 27, 6). Sirach também compara a prova de nossas palavras ao barro queimado em um forno: se preparado adequadamente, surge um vaso proveitoso; mas se o barro não estiver completamente seco, ele se quebrará no calor extremo (Eclo 27, 5).

De maneira semelhante, Jesus insiste que uma pessoa só fala daquilo que lhe enche o coração (Lucas 6, 45). Ele também compara a nossa linguagem, seja boa ou ruim, ao fruto que cresce em uma árvore: “Não existe árvore boa que dê frutos ruins, nem árvore ruim que dê frutos bons.” (Lucas 6, 43).

Ambas as leituras nos estimulam a fazer da fala saudável um hábito. Afinal, muito daquilo que somos é levado à luz através do que dizemos. Mas há um passo além: o Senhor nos pede que olhemos para dentro, examinando nossos corações e os preenchendo com o “bom tesouro” que Deus espera de nós.

Por que é tão importante a pureza de coração e das palavras? Porque, como Jesus declara em outro lugar, “é pelas tuas palavras que serás justificado ou condenado” (Mt 12, 37). Elas são importantes, pois ajudarão a decidir o nosso julgamento final — e é nesse ponto que entra a Segunda Leitura. São Paulo nos lembra que Deus destruirá a morte para sempre; e, se quisermos participar dessa vitória e viver para sempre com o Senhor, devemos tomar todas as medidas necessárias para dar aos nossos corações e nossos lábios aquilo que é bom.

https://stpaulcenter.com/heart-and-mouth-scott-hahn-reflects-on-the-eighth-sunday-in-ordinary-time/

 

PRIMEIRA LEITURA DA MISSA (Eclo 27, 5-8)

A prova das palavras

Quando a gente sacode a peneira, ficam nela só os refugos; assim, os defeitos de um homem aparecem no seu falar. Como o forno prova os vasos do oleiro, assim o homem é provado em sua conversa. O fruto revela como foi cultivada a árvore; assim, a palavra mostra o coração do homem. Não elogies a ninguém, antes de ouvi-lo falar; pois é no falar que o homem se revela.

 

SALMO 91

Os bons frutos das árvores do Senhor

(Antífona): Como é bom agradecermos ao Senhor!

— Como é bom agradecermos ao Senhor e cantar salmos de louvor ao Deus Altíssimo! Anunciar pela manhã vossa bondade, e o vosso amor fiel, a noite inteira.

— O justo crescerá como a palmeira, florirá igual ao cedro que há no Líbano; na casa do Senhor estão plantados, nos átrios de meu Deus florescerão.

— Mesmo no tempo da velhice darão frutos, cheios de seiva e de folhas verdejantes; e dirão: “É justo mesmo o Senhor Deus: meu Rochedo, não existe nele o mal!”

 

SEGUNDA LEITURA DA MISSA (1Coríntios  15, 54-58)

Pelas palavras seremos justificados ou condenados

Irmãos: Quando este ser corruptível estiver vestido de incorruptibilidade e este ser mortal estiver vestido de imortalidade, então estará cumprida a palavra da Escritura: “A morte foi tragada pela vitória; Ó morte, onde está a tua vitória? Onde está o teu aguilhão?” O aguilhão da morte é o pecado e a força do pecado e a força do pecado é a Lei. Graças sejam dadas a Deus, que nos dá a vitória pelo Senhor nosso, Jesus Cristo. Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e inabaláveis, empenhando-vos cada vez mais na obra do Senhor, certos de que vossas fadigas não são em vão, no Senhor.

 

EVANGELHO (São Lucas 6, 27-38)

Do coração aos lábios

Naquele tempo, Jesus contou uma parábola aos discípulos: “Pode um cego guiar outro cego? Não cairão os dois num buraco?Um discípulo não é maior do que o mestre; todo discípulo bem formado será como o mestre.

Por que vês o cisco que está no olho do teu irmão, e não percebes a trave que há no teu próprio olho? Como podes dizer a teu irmão: ‘Irmão, deixa-me tirar o cisco do teu olho’, quando não percebes a trave no teu próprio olho? Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu olho, e então poderás enxergar bem para tirar o cisco do olho do teu irmão.

Não existe árvore boa que dê frutos ruins, nem árvore ruim que dê frutos bons.Toda árvore é reconhecida pelos seus frutos. Não se colhem figos de espinheiros, nem uvas de plantas espinhosas.

O homem bom tira coisas boas do bom tesouro do seu coração. Mas o homem mau tira coisas más do seu mau tesouro, pois sua boca fala do que o coração está cheio”.