Para ouvir a homilia do Padre Paulo Ricardo, “Profissão não, vocação!”, clicar AQUI. Jesus encontrou Pedro ocupado com os próprios afazeres e deu à sua existência um novo sentido: agora ele seria “pescador de homens”. Do mesmo modo, Cristo vem nos visitar também em nossas tarefas, a fim de nos manifestar a verdadeira vocação e sentido de nossas vidas. É o que nos ensina Padre Paulo Ricardo nesta meditação, mostrando como podemos converter nossa vida comum em um apostolado eficaz para a salvação das almas.

 

NAS ÁGUAS MAIS PROFUNDAS (Meditação de Scott Hahn)

 Simão Pedro, o pescador, é o primeiro a ser chamado pessoalmente por Jesus, no Evangelho de São Lucas.

Seu chamado se assemelha à missão de Isaías na Primeira Leitura: confrontados com a santidade do Senhor, tanto Pedro como Isaías são dominados pelo sentimento da própria pecaminosidade e indignidade. No entanto, cada um experimenta o perdão do Senhor e é enviado para pregar, ao mundo, as boas novas de Sua misericórdia mundo.

Ninguém está em condições de ser chamado de apóstolo, reconhece São Paulo na epístola de hoje. Mas, pela “graça de Deus”, até mesmo um perseguidor da Igreja —como São Paulo já foi — pode ser elevado ao serviço do Senhor.

No Antigo Testamento, a humanidade era incapaz de acercar-se ao divino — nenhum homem podia permanecer na presença de Deus e continuar vivo (Êxodo 33, 20). Mas com Jesus, somos capazes de falar com Ele face a face, degustando a Sua Palavra em nossa língua.

A cena de hoje, em Isaías, é lembrada em cada Missa. Antes de ler o Evangelho, o padre pede silenciosamente a Deus que limpe os seus lábios, para que possa dignamente proclamar Sua Palavra.

A Palavra de Deus vem a nós como veio a Pedro, Paulo, Isaías e ao Salmista de hoje — como um chamado pessoal para deixar tudo e segui-Lo, entregando-Lhe nossas fraquezas a fim de sermos completados com Sua força.

Simon mergulhou em águas profundas, embora, como pescador profissional, soubesse que seria imprudente esperar alguma pesca. Ao se humilhar perante o mandamento do Senhor, ele foi exaltado — suas redes se encheram até transbordar; mais tarde, como São Paulo nos diz, ele se tornará o primeiro a ver o Senhor ressuscitado.

Jesus nos tornou dignos de recebê-Lo na companhia dos anjos, no santo templo de Deus. De joelhos como Pedro, com a humildade de Davi no Salmo de hoje, agradeçamos a Ele de todo o coração e nos unamos ao interminável hino que Isaías ouviu em torno do altar de Deus: “Santo, santo, santo… ”(V. também Apocalipse 4, 8).

 https://stpaulcenter.com/into-the-deep-scott-hahn-reflects-on-the-fifth-sunday-in-ordinary-time/

 

 PRIMEIRA LEITURA DA MISSA (Isaías 6, 1-2a.3-8)

Deus escolhe Seus profetas

No ano da morte do rei Ozias, vi o Senhor sentado num trono de grande altura; o seu manto estendia-se pelo templo. Havia serafins de pé a seu lado; cada um tinha seis asas. Eles exclamavam uns para os outros: “Santo, santo, santo é o Senhor dos exércitos; toda a terra está repleta de sua glória”.

Ao clamor dessas vozes, começaram a tremer as portas em seus gonzos e o templo encheu-se de fumaça. Disse eu então: “Ai de mim, estou perdido! Sou apenas um homem de lábios impuros, mas eu vi com meus olhos o rei, o Senhor dos exércitos”.

Nisto, um dos serafins voou para mim, tendo na mão uma brasa, que retirara do altar com uma tenaz, e tocou minha boca, dizendo: “Assim que isto tocou teus lábios, desapareceu tua culpa, e teu pecado está perdoado”.

Ouvi a voz do Senhor que dizia: “Quem enviarei? Quem irá por nós?” Eu respondi: “Aqui estou! Envia-me”.

 

SALMO 137

Os profetas agradecem

(Antífona): Vou cantar-vos ante os anjos, ó Senhor, e ante o vosso templo vou prostrar-me.

— Ó Senhor, de coração eu vos dou graças,/ porque ouvistes as palavras dos meus lábios!/ Perante os vossos anjos vou cantar-vos/ e ante o vosso templo vou prostrar-me.

— Eu agradeço vosso amor, vossa verdade,/ porque fizestes muito mais que prometestes;/ naquele dia em que gritei, vós me escutastes/ e aumentastes o vigor da minha alma.

— Os reis de toda a terra hão de louvar-vos,/ quando ouvirem, ó Senhor, vossa promessa./ Hão de cantar vossos caminhos e dirão:/ “Como a glória do Senhor é grandiosa!”

— Estendereis o vosso braço em meu auxílio/ e havereis de me salvar com vossa destra./ Completai em mim a obra começada;/ ó Senhor, vossa bondade é para sempre!/ Eu vos peço: não deixeis inacabada/ esta obra que fizeram vossas mãos!

 

SEGUNDA LEITURA DA MISSA (1Coríntios  15, 3-8.11)

A humildade dos profetas

Irmãos: O que vos transmiti, em primeiro lugar, foi aquilo que eu mesmo tinha recebido, a saber: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; que foi sepultado; que, ao terceiro dia, ressuscitou, segundo as Escrituras; e que apareceu a Cefas e, depois, aos Doze.

Mais tarde, apareceu a mais de quinhentos irmãos, de uma vez. Destes, a maioria ainda vive e alguns já morreram. Depois, apareceu a Tiago e, depois, apareceu aos apóstolos todos juntos. Por último, apareceu também a mim, como a um abortivo. É isso, em resumo, o que eu e eles temos pregado e é isso o que crestes.

 

EVANGELHO (São Lucas 5, 1-11)

A obediência dos profetas

Naquele tempo, Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se ao seu redor para ouvir a palavra de Deus.

Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes.

Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois sentou-se e, da barca, ensinava as multidões.

Quando acabou de falar, disse a Simão: “Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca”.

Simão respondeu: “Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes”.

Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes que as redes se rompiam.

Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem.

Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: “Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!”

É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer.

Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados. Jesus, porém, disse a Simão: “Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens”.

Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus.