O cristão não pode votar em partidos, cujos programas desrespeitem as verdades ensinadas por Nosso Senhor Jesus Cristo. Uma só dessas verdades que seja subvertida, já desqualifica o partido ou candidato, mesmo que ele defenda outros valores cristãos (como, por exemplo, o cuidado com os pobres). O Cristo é indivisível: não se pode escolher só o que Nele nos agrade.  O cristão coerente fica com o Cristo total. A seguir, relacionam-se alguns aspectos que não podem constar de nenhum programa partidário destinado a cristãos.

SEU PARTIDO OU CANDIDATO SÃO ABORTISTAS? Para o cristão a defesa da vida é inegociável. Cada existência humana é única, e deve ser preservada desde a fecundação, sem aborto, até a morte natural, sem eutanásia. Mesmo um embrião produzido por estupro não pode ser descartado, pois já é uma vida humana (que, se não for interrompida pelo aborto, estará um dia votando como qualquer um de nós). Se o partido ou candidato que você escolheu defendem o aborto, você não pode votar nele, sob pena de ofender gravemente o Cristo que morreu na cruz por você.

SEU PARTIDO OU CANDIDATO SÃO PRÓ-LGBT? Para o cristão, a família nasce da relação sexual de um homem e uma mulher. O sentido da família é gerar futuros cidadãos do Céu. Uma “família” composta por pessoas do mesmo sexo não produz filhos e, portanto, não é desejada por Deus. Nem é desejada por Deus a “prática” homossexual. A Igreja, fundamentada nas Escrituras Sagradas, ensina que uma pessoa não tem culpa por “sentir” atração por outra do mesmo sexo; mas ensina, também, que ela não pode “consentir” nessa atração. Se o partido ou candidato que você escolheu defendem o casamento gay, mudança de sexo ou programas escolares que estimulem crianças e adolescentes a definirem a própria “orientação sexual”, você não pode votar nele, sob pena de ofender gravemente o Cristo que morreu na cruz por você.

SEU PARTIDO OU CANDIDATO INCENTIVAM CONFLITOS SOCIAIS? Há partidos que, para chegar ao poder, se especializam em semear conflitos entre as pessoas, classes sociais ou categorias étnicas. Procuram jogar pobres contra ricos, mulheres contra homens, gays contra não-gays, negros contra brancos, jovens contra velhos etc. Para o cristão, conflito não é algo que se busca, mas que se resolve. Tem consciência de que divisão não agrada a Deus, mas ao demônio. A palavra diabo (do grego “diábolos”) significa justamente isto: o que divide, o que atira um contra o outro. O cristão sabe que a economia deve estar a serviço da pessoa e do bem comum, fundada nos princípios básicos da justiça social, mas recusará o socialismo estatizante, que foi, é e será sempre uma ameaça à propriedade privada e à livre iniciativa, as quais, se fundadas na caridade, serão sempre lícitas. Se o partido ou candidato que você escolheu defendem o conflito como instrumento de conquista do poder, você não pode votar nele, sob pena de ofender gravemente o Cristo que morreu na cruz por você.

OS RISCOS DO VOTO EQUIVOCADO. É preciso muito cuidado na escolha dos candidatos, pois um chefe de estado anticristão levará obrigatoriamente a sociedade ao caos. Olhemos para a vizinha Venezuela, que acreditou em políticos pretensamente defensores dos pobres, que se diziam “socialistas”, e hoje vive a pior crise de sua história. Creiamos mais nas palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo do que em discursos eleitoreiros.