Para ouvir a homilia do Padre Paulo Ricardo, “Por que as pessoas não querem mais casar?”, clicar AQUI. “Não é bom que o homem esteja só”, diz o livro do Gênesis. Hoje em dia, porém, tanto homens quanto mulheres parecem ter perdido completamente o sentido de família; todos preferem a “solteirice”. Como isso foi acontecer? Qual a razão de as pessoas não mais quererem casar e ter filhos? Por que o casamento se transformou, para os de fora, em um projeto inviável, e para os de dentro, em um projeto egoísta — ou até mesmo de divórcio?

 

PRIMEIRA LEITURA DA MISSA (Gênesis 2, 18-24)

Eles serão uma só carne

O Senhor Deus disse: “Não é bom que o homem esteja só. Vou dar-lhe uma auxiliar semelhante a ele”.Então o Senhor Deus formou da terra todos os animais selvagens e todas as aves do céu, e trouxe-os a Adão para ver como os chamaria; todo o ser vivo teria o nome que Adão lhe desse. E Adão deu nome a todos os animais domésticos, a todas as aves do céu e a todos os animais selvagens; mas Adão não encontrou uma auxiliar semelhante a ele. Então o Senhor Deus fez cair um sono profundo sobre Adão. Quando este adormeceu, tirou-lhe uma das costelas e fechou o lugar com carne. Depois, da costela tirada de Adão, o Senhor Deus formou a mulher e conduziu-a a Adão. E Adão exclamou: “Desta vez, sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne! Ela será chamada ‘mulher’ porque foi tirada do homem”. Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher, e eles serão uma só carne.

 

SALMO 127

A família humana: pai, mãe e filhos

(Antífona): O Senhor te abençoe de Sião, cada dia de tua vida.

— Feliz és tu se temes o Senhor/ e trilhas seus caminhos!/ Do trabalho de tuas mãos hás de viver,/ serás feliz, tudo irá bem!

— A tua esposa é uma videira bem fecunda/ no coração da tua casa;/ os teus filhos são rebentos de oliveira/ ao redor de tua mesa.

— Será assim abençoado todo homem/ que teme o Senhor./ O Senhor te abençoe de Sião,/ cada dia de tua vida.

— Para que vejas prosperar Jerusalém,/ e os filhos dos teus filhos./ Ó Senhor, que venha a paz a Israel,/ que venha a paz ao vosso povo!

 

SEGUNDA LEITURA DA MISSA (Hebreus 2, 9-11)

Marido unido à esposa como Cristo à Igreja

Irmãos: Jesus, a quem Deus fez pouco menor do que os anjos, nós o vemos coroado de glória e honra, por ter sofrido a morte. Sim, pela graça de Deus em favor de todos, ele provou a morte. Convinha de fato que aquele, por quem e para quem todas as coisas existem, e que desejou conduzir muitos filhos à glória, levasse o iniciador da salvação deles à consumação, por meio de sofrimentos. Pois tanto Jesus, o Santificador, quanto os santificados, são descendentes do mesmo ancestral; por esta razão, ele não se envergonha de os chamar irmãos.

 

EVANGELHO (São Marcos 9, 30-37)

A finalidade do matrimônio é a família

Naquele tempo, Jesus e seus discípulos atravessavam a Galileia. Ele não queria que ninguém soubesse disso, pois estava ensinando a seus discípulos. E dizia-lhes: “O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens, e eles o matarão. Mas, três dias após sua morte, ele ressuscitará”. Os discípulos, porém, não compreendiam estas palavras e tinham medo de perguntar. Eles chegaram a Cafarnaum. Estando em casa, Jesus perguntou-lhes: “O que discutíeis pelo caminho?” Eles, porém, ficaram calados, pois pelo caminho tinham discutido quem era o maior. Jesus sentou-se, chamou os doze e lhes disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos!” Em seguida, pegou uma criança, colocou-a no meio deles e, abraçando-a, disse: “Quem acolher em meu nome uma destas crianças, é a mim que estará acolhendo. E quem me acolher, está acolhendo, não a mim, mas àquele que me enviou”.

 

O QUE DEUS UNIU (Comentário de Scott Hahn)

No evangelho deste domingo, os fariseus tentam surpreender Jesus com uma pergunta enganosa.

A “legalidade” do divórcio em Israel nunca foi questionada. Moisés o havia permitido (v. Dt 24,1-4). Apesar disso, Jesus faz voltar os seus antagonistas a um momento antes de Moisés: “o princípio”, e lhes dá sua interpretação do texto que ouvimos na primeira leitura.

O divórcio, nos diz o Cristo, viola a ordem da criação. Moisés o permitiu como uma concessão à dureza do coração do povo – isto é, à sua incapacidade de ser fiel à Aliança, à Lei de Deus. Mas Jesus veio para cumprir a Lei e revelar seu verdadeiro significado e propósito; e dar ao povo a graça de guardar os mandamentos de Deus.

Cristo nos revela que o casamento é um sacramento, um sinal divino e vivificante. Através da união do homem e da mulher, Deus quis derramar suas bênçãos sobre a família humana, tornando-a fecunda e multiplicando-a até que enchesse a terra (v. Gn 1, 28).

É por isso que o Evangelho de hoje passa tão facilmente do debate sobre o casamento à bênção de algumas crianças por Jesus. As crianças são as bênçãos que o Pai concede aos casais que seguem seu caminho, como cantamos no salmo de hoje.

O casamento é também um sinal da Nova Aliança com Deus. Como a epístola de hoje dseixa entrever, Jesus é o Novo Adão – feito um pouco inferior aos anjos, nascido de uma família humana (v. Rm 5, 14; Sl 8, 5-7). A Igreja é a nova Eva, a “mulher” nascida do lado trespassado de Cristo, durante o sono da sua morte na cruz (v. Jo 19, 34; Ap 12, 1-17).

Por meio da união de Cristo e da Igreja como “uma só carne”, o plano de Deus para o mundo foi cumprido (v. Ef 5, 21-32). Eva era “a mãe de todos os viventes” (v. 3, 20). Por outro lado, no batismo somos feitos filhos da Igreja, filhos do Pai, herdeiros da glória eterna que Ele destinou à família humana desde o princípio.

O desafio para nós é viver como filhos do reino e crescer firmemente em nossa fidelidade, amor e devoção a Cristo e aos ensinamentos de sua Igreja.

https://stpaulcenter.com/lo-que-dios-ha-unido-scott-hahn-reflexiona-sobre-el-27o-domingo-de-tiempo-ordinario/

https://stpaulcenter.com/what-god-has-joined-scott-hahn-reflects-on-the-twenty-seventh-sunday-in-ordinary-time/