Muitos outros “flamengos” poder-se-iam citar, entre os contemporâneos e sucessores de Josquin des Près: Fevin, La Rue, Gombert, Clemens non papa, Vaet, Hollander. Mas não adiantaria. Fora do círculo limitado dos musicólogos, são apenas nomes.

Pelo menos, não será esquecido o do inglês Thomas Tallis (1505-1585), compositor insular que ainda cultiva o estilo de Josquin quando já o tinham abandonado no continente europeu.

Mas já são palestrinianas suas imponentes Lamentationes Jeremiae. Seu motete Spem in alium e o Miserere (40 vozes) são imensas construções góticas, pedras de toque, até hoje, para a arte de cantar a capela dos coros ingleses.

(Otto Maria Carpeaux, Uma nova história da música)

Thomas Tallis – Lamentações de Jeremias (The Deller Consort)