Para ouvir a homilia do Padre Paulo Ricardo, “Solenidade da Natividade de São João Batista”, clicar AQUI

PRIMEIRA LEITURA DA MISSA (Isaías 49, 1-6)

A flecha aguçada de Deus

Nações marinhas, ouvi-me, povos distantes, prestai atenção: o Senhor chamou-me antes de eu nascer, desde o ventre de minha mãe ele tinha na mente o meu nome; fez de minha palavra uma espada afiada, protegeu-me à sombra de sua mão e fez de mim uma flecha aguçada, escondida em sua aljava, e disse-me: “Tu és o meu Servo, Israel, em quem serei glorificado”. E eu disse: “Trabalhei em vão, gastei minhas forças sem fruto, inutilmente; entretanto o Senhor me fará justiça e o meu Deus me dará recompensa”. E agora diz-me o Senhor – Ele que me preparou desde o nascimento para ser seu Servo – que eu recupere Jacó para ele e faça Israel unir-se a ele; aos olhos do Senhor esta é a minha glória. Disse ele: “Não basta seres meu Servo para restaurar as tribos de Jacó e reconduzir os remanescentes de Israel: eu te farei luz das nações, para que minha salvação chegue até aos confins da terra”.

 

SALMO 138

Formado de modo admirável desde o seio materno

(Antífona): Eu vos louvo e vos dou graças, ó Senhor, porque de modo admirável me formastes!

— Senhor, vós me sondais e conheceis, sabeis quando me sento ou me levanto; de longe penetrais meus pensamentos; percebeis quando me deito e quando eu ando, os meus caminhos vos são todos conhecidos.

— Fostes vós que me formastes as entranhas, e no seio de minha mãe vós me tecestes. Eu vos louvo e vos dou graças, ó Senhor, porque de modo admirável me formastes!

— Até o mais íntimo, Senhor, me conheceis; nenhuma sequer de minhas fibras ignoráveis; quando eu era modelado ocultamente, era formado nas entranhas subterrâneas.

 

SEGUNDA LEITURA DA MISSA (Atos dos Apóstolos, 13, 22-26)

Que Ele cresça e eu diminua

Naqueles dias, Paulo disse: “Deus fez surgir Davi como rei e assim testemunhou a seu respeito: ‘Encontrei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que vai fazer em tudo a minha vontade’. Conforme prometera, da descendência de Davi Deus fez surgir para Israel um Salvador, que é Jesus.

Antes que ele chegasse, João pregou um batismo de conversão para todo o povo de Israel. Estando para terminar sua missão, João declarou: ‘Eu não sou aquele que pensais que eu seja! Mas vede: depois de mim vem aquele, do qual nem mereço desamarrar as sandálias’. Irmãos, descendentes de Abraão, e todos vós que temeis a Deus, a nós foi enviada esta mensagem de salvação”.

 

EVANGELHO (São Lucas 1, 57-66.80)

A mão do Senhor estava com ele

Completou-se o tempo da gravidez de Isabel, e ela deu à luz um filho. Os vizinhos e parentes ouviram dizer como o Senhor tinha sido misericordioso para com Isabel, e alegraram-se com ela. No oitavo dia, foram circuncidar o menino, e queriam dar-lhe o nome de seu pai, Zacarias. A mãe, porém, disse: “Não! Ele vai chamar-se João”.

Os outros disseram: “Não existe nenhum parente teu com esse nome!” Então fizeram sinais ao pai, perguntando como ele queria que o menino se chamasse. Zacarias pediu uma tabuinha, e escreveu: “João é o seu nome”. E todos ficaram admirados. No mesmo instante, a boca de Zacarias se abriu, sua língua se soltou, e ele começou a louvar a Deus. Todos os vizinhos ficaram com medo, e a notícia espalhou-se por toda a região montanhosa da Judeia. E todos os que ouviam a notícia, ficavam pensando: “O que virá a ser este menino?” De fato, a mão do Senhor estava com ele. E o menino crescia e se fortalecia em espírito. Ele vivia nos lugares desertos, até o dia em que se apresentou publicamente a Israel.

 

QUE ELE CRESÇA E EU DIMINUA (Comentário de Scott Hahn)

No evangelho desta semana, as pessoas ficam assustadas e surpresas com os eventos misteriosos que cercam o nascimento de João.

Somente seus pais, Isabel e Zacarías, sabem o que essa criança será.

João Batista foi moldado em segredo, foi tecido por Deus no ventre materno, como cantamos no salmo deste domingo. Já no seio de sua mãe ele foi separado e formado para ser um servo de Deus, como Isaías declara na primeira leitura.

Toda a narrativa do nascimento de João é marcada com ecos do Antigo Testamento, especialmente a história de Abraão. Deus apareceu a Abraão e prometeu que sua esposa lhe daria um filho. Ele anunciou o nome de seu filho e o papel que Isaac desempenharia na história da salvação (v. Gn 17,1.16.19).

A mesma coisa aconteceu com Zacarias e Isabel. Deus, através de seu anjo, anunciou o nascimento de João para este casal de justos, porém estéreis. Deu-lhe um nome especial e disse-lhes o papel único que João desempenharia no cumprimento de Seu plano na história (v. Lc 1, 5-17).

Como Paulo diz na segunda leitura de hoje, João estava destinado a ser o arauto do cumprimento de todas as promessas de Deus aos filhos de Abraão (v. Lc 1,55-73). Ele ia trazer a palavra da salvação a todo o povo de Israel. Além disso, seria uma luz para as nações, para todos aqueles que, tateando, buscavam a Deus na escuridão.

Muitas vezes associamos João à sua forte pregação (v. Mt 3,7-12). Mas no coração de sua missão havia uma profunda humildade. Paulo alude a isso quando cita suas palavras, mencionando que não se considerava digno de desatar as sandálias de Cristo.

João disse de Cristo: “É preciso que ele cresça e eu diminua” (v. Jo 3,30).

Devemos ter essa mesma atitude em nosso seguimento de Jesus. O arrependimento que João pregou era um afastamento do pecado e do egoísmo; uma total conversão de nossos corações a Deus.

Devemos diminuir para que, como João, possamos crescer fortes no Espírito, até que Cristo se manifeste em cada um de nós.

https://stpaulcenter.com/he-must-increase-scott-hahn-reflects-on-the-nativity-of-st-john-the-baptist/

https://stpaulcenter.com/natividad-de-juan-el-bautista-scott-hahn-reflexiona-sobre-la-natividad-de-juan-el-bautista/#