1. Fosse em bosque ou ribeira,

Eu procurava, sempre, o meu Querido;

Minha voz carpideira

Ressoava em seu ouvido

Pra que Dele jamais fosse esquecido… 

2. Ó esperança triunfante!

Ó bem da minha vida, Deus eterno!

Feliz aquele instante

Em que o coração terno

Salvastes súbito do inferno.

Não foi mortal ferida,

Senhor, que recebi de Vossa mão:

Foi graça desmedida,

Um bem sem proporção,

Maior que toda a humana compreensão.

Minha alma, que perdida

Estava nos abismos do pecado,

Por Vós foi redimida;

Por Vós foi apagado

O que por Vós já tinha sido desculpado.

Que graças posso dar,

Senhor, por tão sublime benefício,

Senão Vos gloriar,

Oferecendo-Vos o ofício

De minha alma em perpétuo sacrifício?

(Fray Luis de León, um dos maiores poetas de língua espanhola, foi um religioso agostiniano español, que viveu entre 1527 e 1591).